Atendimento Online  Acesso Remoto  Privado

Blog

Uma breve história do Visual Basic

Categorias: Artigos
Comentários desativados

Por: Péricles J. Otero

Hoje em dia a maioria dos desenvolvedores que trabalham com as ferramentas da Microsoft (MS) estão focando os seus estudos e trabalhos sobre a linguagem C# que trouxe bastantes conceitos pré-existentes em outras linguagens como, por exemplo, o ‘JAVA’. Eu não tenho nada contra o C# e sou a favor de tudo que houver de novidades para facilitar e melhorar a vida dos desenvolvedores, mercado e tecnologia no geral.

Mas gostaria de voltar ao passado por alguns instantes e frisar sobre uma linguagem que por muitos anos foi a base e o carro chefe da MS, nada mais e nada menos que o Visual Basic, mundialmente conhecido pela sigla ‘VB’, sim é nesta linguagem que muitos dos softwares com interface gráfica para a plataforma Windows foram desenvolvidos e continua sendo desenvolvidos por milhares de softhouses mundo a fora.

O VB passou aos longos dos anos por varias versões acompanhando a evolução do seu Sistema Operacional Windows, desde a primeira versão que saiu para o ambiente DOS. O VB 2.0 para o ambiente Windows e na versão VB 3.0 para o Windows 3.11, sendo a versão 3, uma das mais famosas por possui os componentes com extensões ‘VBX’ e a ferramenta Crystal Report de geração de relatório gráfico que o acompanhava o produto, e também a possibilidade de trabalhar acessando o banco de dados MS Access 2.0.

O VB 4.0 foi lançado com duas versões 16 bits e 32 bits para o Windows 95, já utilizava os componentes com a extensão ‘OCX’ e tinha a possibilidade de trabalhar com os bancos de dados via ODBC usando o mecanismo Data Access Objects (DAO). O VB 5.0 Já veio com algumas mudanças bastante inovadoras para os desenvolvedores, uma delas foi o seu IDE muito mais robusto, outra novidade era a função ‘IntelliSence’ onde o desenvolvedor escrevia a metade da função e automaticamente exibia o resto, ajudado bastante na hora de escrever seus códigos, outra novidade que não posso deixar de citar, foi o aparecimento das Classes, mesmo que o VB 5 não é uma linguagem 100 % OOP, o desenvolvedor poderia criar as suas classes de objetos, e utilizar o encapsulamento e instanciar as classes quando desejar. Essas foram as novidades mais importante a meu ver, é claro que houve muitas outras novidades oferecidas na versão mas não irei focar neste artigo pois, irei me estender muito e não é o objetivo aqui.

Mas foi em 1998 que a MS lança o VB 6.0 e assim consegue o seu ápice com o VB, pois é a versão mais estável da velha guarda, trazendo tudo que possui na versão 5, e mais algumas novidades, uma delas ao meu ver foi a mais importante que se tratava do ActiveX Data Objects (ADO) um novo mecanismo de acesso a banco de dados onde era possível trabalhar com os bancos SGDB com muito mais segurança e tem um vasto legue de recursos, bem mais robusto oferecendo por exemplo trabalhar com transações. Hoje em dia continua sendo a versão mais usada pelos desenvolvedores e softhouses que desenvolvem com o VB sobre a arquitetura Component Object Model (COM).

Mas a partir do ano de 2000 a MS investe pesado na sua mais nova versão do Visual Studio que trabalha sobre a plataforma Framework .NET, bem essa é outra história que podemos continuar contando em outra oportunidade.

 

Fonte: Caribé Silva

Por: Péricles J. Otero – Analista de Sistemas/Desenvolvedor – Caribé Silva Informática

Orçamento exige Planejamento e Controle

Categorias: Notícias
Comentários desativados

Orçamento exige Planejamento e Controle

O orçamento é um plano financeiro que exige duas atitudes dos gestores, que comumente vemos em títulos de livros sobre o assunto: PLANEJAMENTO e CONTROLE.Planejar é a primeira atitude de uma empresa que deseja não somente melhorar, mas se manter no mercado. Para isso você deverá ser capaz de analisar a situação externa e interna da empresa. Em outras palavras: você precisa saber o que mudaram nos custos de ano corrente, o impacto da inflação da matéria-prima que a empresa utiliza, quanto vendeu ou prestou de serviços a seus clientes, e assim por diante. E internamente deve ser capaz de observar, via uma análise SWOT, a situação da empresa.

Posteriormente chegará a fase do controle. Mesmo que seja um empreendedor individual, você precisa controlar se está no rumo do que orçou anteriormente, sem dúvida exigindo maturidade frente as decisões e responsabilidades que estas trazem.Hoje vemos uma variedade de conteúdos sobre a educação financeira tanto pessoal, quanto profissional, no entanto, ao nos depararmos com uma situação adversa, tendemos a abandonar os planos. Um exemplo são as promessas que fazemos e não realizamos no decorrer do ano, ou aquele montante guardado para uma urgência ser usado sem qualquer parcimônia após uma situação de desgaste com a desculpa de merecê-lo, e assim por diante.Planejamento e controle são imprescindíveis para que o orçamento não seja apenas palavras e números em um papel, tornando-se um bom alicerce para um futuro promissor em termos de gestão de toda e qualquer empresa.

Fonte: adaptado de www.administradores.com.br – Antonio Marcos.